Nossa História

image_maria_helenaA história do Adélia Camargo Corrêa vai muito além desses anos de tradição. Começamos em meados da década de 50, quando uma estudante do curso Normal (Magistério), com 17 anos, resolve trabalhar em uma escola de educação infantil, indo contra a vontade da família. Essa jovem era Maria Helena Corrêa Augusto…

Começando como professora substituta no então colégio Santa Cecília, logo sua habilidade de lidar com as crianças chamou a atenção de sua chefe, D. Cecília, que, enfrentando problemas financeiros, ofereceu-lhe o colégio.

Maria Helena ficou feliz com a oportunidade, mas era difícil convencer seus familiares a deixar ser proprietária de um colégio. A estratégia adotada por ela foi fazer seu irmão, Carlos Alberto Corrêa, se associar com o seu então noivo Luiz Augusto. Deu certo. Ela, então, passou a dar aulas, além de coordenar toda a parte administrativa do colégio com sua cunhada, Wilma Guerrato Corrêa. Nessa época, Maria Helena forma-se professora no colégio José Bonifácio, em Santos.

Em 1954, veio o primeiro golpe para Maria Helena. A casa onde localizava-se o colégio, na avenida Rodrigues Alves, estava com dívidas passadas e precisava ser desocupada. Ela não se abateu.

Procuraram um novo local para instalar o colégio. Pouco tempo depois, ele já possuía nova sede: um sobrado na esquina da avenida Rodrigues Alves e rua Silva Jardim.

Nesta época, Maria Helena casa-se com Luiz Augusto e Carlos Alberto casa-se com Wilma e vão todos morar na parte superior da casa onde funcionava o colégio. Pouco tempo depois, Carlos Alberto e Vilma deixam a sociedade. Neste ano, Maria Helena também passou a dar aulas no colégio Docas, em Santos.

Nessa casa nasceu seu único filho, Luiz Rogério Corrêa Augusto, em março de 1955, que passaria, 22 anos mais tarde, a coordenar com Maria Helena a parte pedagógica, administrativa e financeira do colégio Adélia.

Após 9 anos de um trabalho bem feito junto aos alunos do Santa Cecília, Maria Helena se viu num momento difícil de sua vida: enfrentava sérios problemas de saúde e não poderia se sobrecarregar com tanto trabalho. Infelizmente, teve que optar por continuar apenas no Docas. Porém, Maria Helena se orgulha ao saber que sua escola de educação infantil se tornou uma Instituição de Ensino de renome na Região.

No começo da década de 70, vem para o Guarujá para trabalhar na escola municipal Gladston Jafet, no bairro da Santa Rosa, em Guarujá.

Totalmente integrada à comunidade guarujaense, decidiu voltar a ser proprietária de um colégio, adotando sua própria filosofia de ensino. Em 1978, dá o passo mais importante de sua vida: funda a Escola de Educação Infantil Adélia Camargo Corrêa (nome dado em homenagem à sua mãe), na rua Valéria Ciccone, no Santa Rosa, em Guarujá. Em 1980, recebe a autorização de funcionamento para o 1º grau e muda de endereço. Vai para o local onde até hoje está localizado o colégio, na avenida Miguel Mussa Gaze, 257, também no bairro da Santa Rosa. Nessa época, ela deixa o Gladston Jafet e, em 1982, se aposenta do Docas. Em 1983, volta para o Gladston como diretora e, em 1988, pede exoneração do cargo para se dedicar exclusivamente ao Adélia, que se preparava para o funcionamento do 2º grau.

Com o trabalho de D. Maria Helena e seu filho Luiz Rogério Corrêa Augusto a Escola de Educação Infantil se transformou em um conceituado Colégio, o que significa que todo esforço em sua trajetória acadêmica valeu muito. Significa que não adianta apenas sonhar. Tem que se acreditar, investir e ter muita perseverança para atingir os objetivos.

image_antiga_escolaEm 1978 surge, no bairro do Santa Rosa, no Guarujá, a Escola de Educação Infantil Adélia Camargo Corrêa, com pouco mais de 20 alunos. Idealizada pela professora Maria Helena Corrêa Augusto, o Colégio logo agrada à comunidade local e passa a, gradativamente, crescer seu número de alunos. Em 1980, o Adélia recebe a autorização da Secretaria Estadual de Educação para o funcionamento do ensino de Ensino Fundamental. A Escola de Educação Infantil e Primeiro Grau Adélia Camargo Corrêa já é uma realidade. Antes que a primeira turma do antigo 1º grau se formasse o Adélia já recebia a autorização para o funcionamento das atividades do Ensino Médio.

Nesta época, o professor Luíz Rogério Corrêa Augusto, filho e sócio de Maria Helena, buscou em São Paulo um sistema de ensino à altura da qualidade implantada no Adélia: o Sistema Anglo de Ensino, que é adotado até hoje desde a Educação Infantil.

Através de sua experiência como Coordenador do Centro Paula Souza, entidade que administrava as Escolas Técnicas Estaduais e a FATEC, e também atendendo às necessidades do Município, decide dar início aos cursos técnicos de nível médio, que hoje preenchem a matriz curricular do Colégio Adélia.

Após todos esses anos de um ensino sério e de qualidade, o Colégio Adélia Camargo Corrêa consolidou-se entre as principais Instituições Educacionais da Baixada Santista.